Os dez mandamentos que deus deu a Moisés
Significado e Sentido na religião cristã católica

De Claudio Simeoni, traduzido por Dante Lioi Filho

Cod. ISBN 9788891173003 Livro pode ser encomendado nas livrarias

Os dez mandamentos: italiano

A Falsa Escravidão (engendrada) Para Gerar Verdadeiro Terror

 

Index

 

Está escrito no Êxodo:

"Ele acrescentou: ' Dirija-se ao povo e faça com que todos se preparem hoje e amanhã: que se lavem as vestes e que estejam prontos para o terceiro dia; depois do que, no terceiro dia o Senhor descerá no Monte Sinai, na presença de todo o povo. Indicará um limite ao povo ao redor do monte e lhe dirá: abstenham-se de subir o monte, ou tocar a sua base, pois quem tocar o monte morrerá. Porém, ninguém erguerá a mão sobre ele: será apedrejado ou golpeado por flechas; pois tanto o animal como o homem que não mais permaneça vivo. Quando, ao contrário, o chifre soar, à distância, então que esses subam ao monte'. Moisés desceu, portanto, do monte e caminhou em direção ao povo e fez com que se preparasse..."

Êxodo 19, 10-14

O deus dos hebreus inicia a apresentar os seus "mandamentos" dando ordem para matar a quem não obedecesse.

As pessoas têm sido aterrorizadas pelo deus-chefão dos hebreus, e por isso constrangidas à obediência, por meio do medo.

Com esse modo de agir, constrói-se a diferenciação entre Moisés e o povo dele. O povo é o sujeito que deve sofrer a ação de terror do deus-chefão, e Moisés é o instrumento, que transmite ao povo esse terror do deus-patrão. Deus ordena para que se mate, e Moisés (como o Moisés de cada geração no tempo) executa essa ordem entre o povo, se essa matança e o próprio Moisés foram reais ou presumidos, não nos cabe aqui, nem é de nossa competência, comentar sobre isso. No Êxodo, Moisés separou-se do povo. Renegou pertencer ao povo, o seu ser povo, para assumir o papel de "instrumento de deus". Em resumo, assumiu o papel de ser "deus-chefão" entre o povo dele.

As pessoas, que constituem o povo, são culpabilizadas porque tinham medo, em contraposição à "coragem" de Moisés, e esqueceram que foram aterrorizadas, e da cumplicidade do chefão de Moisés, e o próprio Moisés, ou seja "deus-chefão-moisés", aterrorizaram as pessoas, do povo, tanto com ameaças de morte se alguém tocasse a montanha, como pela representação da aparição do deus dos hebreus.

"No terceiro dia, ao amanhecer, iniciaram-se trovões e relâmpagos: uma nuvem espessa cobria o monte e foi ouvido um som fortíssimo de trombeta; e todo o povo que estava no acampamento tremia."

Êxodo 19,16

Aterrorizar, psicologicamente, sem dúvida nenhuma, para impedir uma verificação. Aterrorizar psicologicamente tendo a finalidade de impossibilitar quaisquer críticas e assim, ser colocado em discussão aquilo que era apresentado àquele povo. O terror é anunciado no conto e é enfatizado de geração em geração, lendas sobre lendas, provocando uma emoção de pânico nos espectadores que escutam o conto das proezas do deus deles, e do Moisés deles. Contos que provocam pânico e que atravessam as gerações até que Freud e Kierkegaard, que são considerados a manifestação do deus dos hebreus e a prova da existência dele. Somente por meio do terror é que podem ser impostos às pessoas os Mandamentos dos hebreus, que o deus deles a eles é confiou, e na forma dada e imposta por eles. Nenhum hebreu e nenhum cristão nunca dirá ao seu deus criador: "Tu não deves matar; tu não deves roubar; tu não deves desejar a mulher de outro, etc." Somente o terror, que atormenta as pessoas, é que pode impedi-las de observarem as consequências causadas pela aceitação desses Mandamentos. Somente o pânico impede as pessoas de se interessarem na verificação do que significa, para os filhos delas, aceitarem esses Mandamentos na forma em que o deus-patrão dos hebreus em primeiro lugar e depois dos cristãos, lhes impõe.

O pavor é o motivo fundador do poder de posse do decálogo hebraico-cristão.

Subtraindo-se o terror dessas afirmações, que são iguais a delírios, a demências, e não são normas como são as "jurídicas", restam "normas" que não têm nenhum valor senão o puro e exato desejo de fixar a destruição do homem e da sociedade civil em prol de um determinado povo com a sua religião dominante.

Incutir o terror antes, com a finalidade de impor os Mandamentos. Por quê? Porque se não fosse imposto o terror às pessoas, estas não acolheriam o decálogo, não o aceitariam, e "pretenderiam discuti-lo". E o deus dos hebreus, e deus cristão, não pode permitir que os homens se elevem ao seu nível, discutindo as suas ordens e a sua palavra.

Hebreus e cristãos podem discutir sobre como aplicar a verdade do deus deles, mas não podem colocar em discussão a verdade desse deus, para que se procure outras verdades diferentes. Procurar outra verdade é proibido aos hebreus e aos cristãos. Pena: a morte.

"Quem faz sacrifícios a outros Deuses exceto a deus (patrão), que seja punido com a morte".

Êxodo 22,19

Com efeito, na Gênesis, o deus patrão dos cristãos diz:

"Eis, o homem se tornou como um de nós, tendo o conhecimento do bem e do mal: que não estenda a sua mão, portanto, e não colha da árvore da vida, para poder comer e viver eternamente."

Gênesis 3,22

A versão do Êxodo e a versão do Deuteronômio se colocam em situações globalmente diferentes. O fato de que uso, para o comentário, uma versão da bíblia católica popular, não deve induzir em engano. O meu escopo não é o da precisão cultural, pois esta compete aos especialistas, mas o meu desígnio é o de tirar o véu e deixar a luz passar às pessoas para lhes mostrar o fato de que, suas estruturas emocionais têm sido manipuladas, manipulação bíblica que tem a finalidade de os indivíduos destruírem a possibilidade de se determinarem em sua existência.

Os dez mandamentos da bíblia estão dentro de um plano para a destruição do homem: impedir o homem de assumir a responsabilidade da sua própria existência. O homem tem se submetido à uma "verdade", que é aquela do seu deus patrão. Ele, o onipotente e o onisciente, é o responsável por essa destruição. O homem se submete a essa verdade manifestada por esse onipotente e onisciente, e acaba descobrindo, no curso da história da humanidade, que se trata de uma falsidade vulgar.

É diferente de como delira Jesus, em João, quando afirma:

"Se vocês perseverarem, nos meus ensinamentos, serão verdadeiramente meus discípulos, conhecerão a verdade, e a verdade fará de vocês homens livres."

João, 8, 31-32

Na realidade, a "verdade" transforma homens em escravos, estupra as pessoas, para que a ela se submetam. O que torna uma pessoa livre é a busca do real dentro de um trajeto de crítica ao absoluto, sendo que, nesse trajeto, a pessoa possa reconhecer quando pretenderem impor-lhe uma aceitação sem direito à crítica.

Por esse motivo, o prosseguir na análise dos "Mandamentos" hebraico-cristãos" constituirá um comentário absolutamente ligado às traduções das quais disponho, e que estão aptas para difundirem e manifestarem a palavra do deus-chefão, por obra dos católicos.

Está escrito no Catecismo da Igreja Católica:

"105 - Deus é o autor da sacra escritura. 'A coisas reveladas divinamente, que nos livros da sagrada escritura estão contidas e apresentadas, foram confiadas sob a inspiração do espírito santo. A santa madre igreja, por fé apostólica, mantém sacros e canônicos todos, inteiramente, os livros, seja do antigo como do novo testamento, com todas as suas partes, porque escritos sob a inspiração do espírito santo, têm deus por autor e como tais foram confiados à igreja." Catecismo da Igreja católica.

Portanto, demonstrar como os dez mandamentos da bíblia representam uma "miséria moral" e uma ofensa à sociedade civil, significa demonstrar como o deus dos cristãos e a igreja católica são portadores de miséria moral e ofensa à sociedade civil.

Enquanto no código de Hamurabi (ou Hamurapi) está dito que aquelas leis foram feitas "para que o mais fraco tenha a justiça em comparação com o mais forte", os dez mandamentos (que imita os códigos Babilônicos) foram feitos com a finalidade de legitimar a violência e o estupro do mais forte sobre o mais fraco, criminalizando a busca da justiça em cotejo das violências sofridas pelo mais fraco".

NOTA: A estrutura da crítica aos mandamentos, do Êxodo e do Deuteronômio, permaneceu praticamente inalterada conforme foi escrita em 2004. Sob cada mandamento foram acrescidos os links que levam às várias páginas, nas quais são postos em evidência alguns aspectos danosos que na história foram provocados por esses dez mandamentos, impostos com a violência das igrejas cristãs.

A imposição do deus-patrão, todo-poderoso, acontece tendo como causa uma mentira! Por isso podia funcionar jogando-se com a imaginação das pessoas; hoje, a realidade arqueológica demonstrou ser uma mentira. Trata-se da escravidão dos hebreus no Egito.

A imposição de um deus patrão, todo-poderoso, surgiu de uma mentira! Naquela ocasião essa mentira podia funcionar jogando-se com a imaginação das pessoas, hoje, porém, a realidade arqueológica demonstrou ser uma mentira. Trata-se da escravidão dos hebreus, no Egito. A mentira está no afirmar-se que existiu um êxodo do Egito nas dimensões e nas situações manipuladas no texto da bíblia. A arqueologia demonstrou que, não existiu nenhum êxodo, e que a própria escravidão no Egito, descrita na bíblia, pertence à imaginação quimérica, irreal, dos hebreus (como os hebreus pretendiam, na sociedade deles, que fosse a escravidão, e como os hebreus a exercitavam no Sistema Social deles) e não na realidade do Antigo Egito.

Nunca existiram "escravos hebreus" no Egito, e, consequentemente, esse "êxodo" nunca houve. Os hebreus, transferidos à Babilônia, imaginaram uma "escravidão" precedente sob o modelo daquela que sofriam na Babilônia, e que, diferentemente do que acontecia na Babilônia, seria vista, em uma outra vez, uma intervenção de um deus que socorreria o "povo eleito".

O primeiro elemento que encontramos para discutir é *através do quê* (grifei), o deus dos hebreus pretende ser o patrão, o dirigente deles, e o porquê os hebreus lhe devem obediência. O deus dos hebreus reivindica o seu próprio direito de dominar os hebreus por meio de uma afirmação de uma situação objetiva: a saída de uma "escravidão" do Egito! Uma realidade falsa cria uma falsa obrigação, um falso dever. Pior ainda, uma realidade falsa cria uma escravidão verdadeira. E é exatamente o sentido do preâmbulo aos Mandamentos: "Do momento em que tu" - diz o deus dos hebreus - "eras escravo no Egito, e eu te libertei daquela escravidão, tu a partir deste momento DEVES ser o meu escravo e obedecer a ordem que te dou!"

 

RELAÇÃO ENTRE DONO E ESCRAVO
NA ORIGEM DOS MANDAMENTOS HEBRAICOS

Os Mandamentos hebraicos, pela primeira vez na história, erguem uma condição social a uma condição divina tentando fixá-la no tempo. Aqueles que constituem os privilégios dos possuidores de escravos, são propagados 'ab aeterno' (para sempre), por meio de uma situação social que não constitui fruto do vir a ser e das adaptações da sociedade, mas constitui manifestação da vontade do deus-patrão ao qual os hebreus fazem alusão. Isso torna-se útil aos cristãos, e particularmente aos católicos: confirmar que são patrões dos Sistema Sociais humanos não por necessidade dos Sistemas Sociais, mas simplesmente por vontade do deus patrão ao qual devem ser submetidas as agitações e as exigências dos Seres Humanos.

Os Mandamentos do Êxodo e do Deuteronômio (ditos comumente pelos cristãos: Dez Mandamentos) têm uma função: sancionar a escravidão como manifestação de deus! Um deus que de quando em vez massacra os Seres Humanos por meio do dilúvio universal ou que se esconde como um transcendente inatingível, cuja finalidade é a de subtrair-se do juízo e da condenação da razão humana.

Os Mandamentos sancionam a escravidão.

Com os Dez Mandamentos, a igreja católica aprova o seu direito de ter escravos: isso porque assim o diz o seu deus criador do universo!

Uma escravidão que não é de ordem social ou econômica. Não representa um método de relações entre os Seres Humanos em um Sistema Social, mas é método de domínio religioso dos "predestinados", sobre todos os Seres Humanos.

Os predestinados: a raça superior; os eleitos; chamem como quiserem!

Através dos Mandamentos sanciona-se a marginalização, que sempre, como veremos no curso da história, golpeia este ou aquele povo, esta ou aquela etnia, este ou aquele indivíduo social. Do direito do deus patrão ao domínio dos Seres Humanos, se fazem de fiadores responsáveis este ou aquele chefe, este ou aquele Comando Social, esta ou aquela autoridade, esta ou aquela raça.

Os Mandamentos do Êxodo ou do Deuteronômio, é o quanto possa existir de mísero e infame, que a história humana já assistiu.

As leis humanas foram feitas para limitar o domínio absoluto. As leis humanas negam um domínio absoluto, e circunscrevem o domínio dos indivíduos dentro de um certo âmbito para ser exercido. Os Mandamentos hebraicos, que os cristãos fizeram como sendo deles, vêm de encontro a esses princípios elementares legais, para que se garanta ao detentor, que se faz de fiador da palavra do deus-chefão, o direito de exterminar todos os Seres Humanos em nome e por conta do deus desses Mandamentos.

Vamos, a seguir, discutir os vários argumentos tomados do Êxodo.

 

Primeira Parte dos Dez mandamentos

"Eu sou o Senhor teu deus,
quem te fez sair do país do Egito,
da casa da escravidão"

Nesse trecho parece clara a afirmação de que esse personagem, o deus patrão dos cristãos ou o deus pela boca de Moisés (escolham vocês a versão que preferirem), afirma ser o dono dos seres humanos.

Para que seja compreendida essa ordem, que se torna fundamento jurídico, é necessário colocá-la na sua manifestação. Deus não dá essa ordem a todas as pessoas; aquela gente é temerosa! Aquela gente é submissa! Aquela gente tem medo! O povo não está em condições para enfrentar as suas próprias responsabilidades: deve ser conduzido. O povo é objeto de posse, não é um conjunto de indivíduos portadores de vontade. Vocês se recordam? Foi deus quem os fez sair da terra da Egito, não foram eles que se rebelaram. O deus deles arremessa-lhes ao rosto a covardia deles, verdadeira ou presumida que seja.

É a Moisés que deus dá as leis.

Moisés é igual a deus.

Moisés leva as leis ao povo. Moisés impõe as leis, que deus lhe tinha dado, ao povo, que DEVE recebê-las. O povo recebe aquelas leis sem discuti-las, porque o povo tem medo. Foi aterrorizado!

Moisés e deus formam uma dupla de poder que impõem as leis ao povo.

Só que deus, uma vez que forneceu as leis a Moisés, se esconde atrás de uma cobertura infinitamente inatingível, enquanto Moisés levou as leis. Moisés se torna o verdadeiro deus físico do povo de Israel. Moisés se torna o' Senhor teu deus', a quem o povo de Israel deverá obediência. Moisés e deus são a mesma coisa diante dos olhos do povo. Somente Moisés tem o justo olhar de deus: somente Moisés não teve medo.

Depois as leis foram colocadas numa arca: a arca da aliança!

Moisés morre e permanecem os seus sucessores. Os sucessores, exatamente porque são sucessores do poder que deus deus a Moisés, constituem o verdadeiro deus do povo de Israel.

E, dessa forma morre Moisés, mas ficam os seus sucessores. Os sucessores: e exatamente porque se intitulam sucessores de Moisés, são sucessores do poder que o deus deles transmitiu a Moisés, se transformam em "eu sou o senhor deus", do povo de Israel.

Desse modo, a transferência do domínio se completa: a hierarquia divina confirma a hierarquia social, que se intitula a própria manifestação divina!

A violência se manifesta como sendo um direito, que pertence a deus, este pune e Moisés executa a punição. Não existe mais justiça fora da vontade do deus-patrão.

Não há mais revoltas! Não há mais modificações das regras sociais! As leis não são mais modificadas! Não há mais modificações nos costumes! A verdade de deus é imodificável! Tudo deve acontecer dentro da vontade de deus que escolheu e indicou, aquele povo, para ser submetido a Moisés, e esse deus forneceu a ele as leis às quais aquele povo deve obediência.

Deus não deve responder a nenhuma lei!

Moisés não deve responder a nenhuma lei!

Wojtyla não deve responder a nenhuma lei!

Sharon não deve responder a nenhuma lei!

Os descendentes de Moisés, na medida em que continuam sendo os depositários da lei, não devem responder a nenhuma outra lei. Apenas e tão-somente o povo deve ser obediente a lei de Deus e aos seus executores.

 

*NÃO TERÁS NENHUM OUTRO DEUS A NÃO SER A MIM.
NÃO FARÁS NENHUMA ESCULTURA,
NEM IMAGENS DAS COISAS QUE RESPLANDECEM NO CÉU,
OU QUE ESTEJAM SOBRE A TERRA.
NÃO SEJAM ADORADAS TAIS COISAS
E NEM QUE SE SIRVAM A ELAS, PORQUE EU,
O SENHOR, O TEU DEUS, SOU UM DEUS CIUMENTO,
QUE PUNO A INIQUIDADE DOS PAIS E DOS FILHOS
ATÉ A TERCEIRA OU A QUARTA GERAÇÃO
DAQUELES QUE ME ODEIAM; MAS USO DA CLEMÊNCIA
ATÉ A MILÉSIMA GERAÇÃO EM RELAÇÃO
ÀQUELES QUE ME AMAM E OBSERVAM OS MEUS MANDAMENTOS*

A segunda lei é reafirmação da primeira, com uma série de ameaças definitivas.

O "eu sou o teu deus-patrão" é colocado em um contexto social, onde o perigo, para ele, acontece pelo reconhecimento, por parte dos Seres Humanos, da existência do divino nos objetos do mundo. O deus-chefão dos hebreus teme que os hebreus descubram a vontade divina dos objetos do mundo: animais, plantas, estrelas, Sol, etc. Se os hebreus descobrem que esses objetos existem por vontade própria, irão manifestar também a convicção de que dentro de cada Ser Humano existe um deus que é propenso a crescer: "Eis, o homem tornou-se como um de nós, tendo o conhecimento do bem e do mal: que agora não estenda a sua mão e não colha da árvore da vida, para comer e viver eternamente."

O mesmo Ser Humano, no caso de ser representado em uma estátua, torna-se um modelo a ser seguido.

Um modelo concentra sobre si as emoções de outros Seres Humanos. Compacta a vontade deles: poderão se tornar corajosos! Quando o Ser Humano se torna corajoso, pode subir naquela montanha e desvendar a verdadeira natureza do deus-chefão. A coragem, nos Seres Humanos, deve ser destruída. Os Seres Humanos devem viver no medo e no tremor. Não devem ter nenhuma oportunidade que caiba na realidade deles, não devem ter em nenhuma ocasião lugar aonde ancorarem as suas emoções, a não ser o terror da ideia abstrata de um deus pronto para puni-los e aos os seus filhos, até a quarta geração; mas que receberão um premio pelo medo deles que os induz à obediência até a milésima geração. Só que a geração atual esquece: a geração após a minha será, na mesma medida, submissa e obediente? Ou abandonará os benefícios para a geração sucessiva?

O que é punido e o que é premiado (pelo deus dos hebreus)? E onde tenho a segurança do premio, visto que o deus-patrão não o vinculou em relação a nenhuma lei e a nenhum pacto? Fala-se que ele é bom: mata os primogênitos e faz com que as minhas culpas sejam transmitidas aos meus descendentes, que vierem a nascer. Aonde estaria essa bondade senão na satisfação dos seus desejos sádicos? É o sadismo do chefão que ele o exercita, arbitrariamente (ele não está submetido a nenhuma lei), porquanto é chefão por mandado dele mesmo, deus-patrão, e que deve ser garantido em cada reivindicação.

Tenho medo de perder o gado, diz o deus-patrão dos hebreus. Mas os hebreus, debaixo dessas leis, quais as leis que aplicarão aos seus semelhantes? Quais as leis que aplicarão aos outros povos? Porque eles, os hebreus, constituem o povo eleito, submissos e escravos do deus-patrão, deles; e portanto, se julgam patrões de outros povos, que por eles são julgados como escravos, e no dever de os servirem. São questões de relações de força e não de direito! Tivemos um exemplo na história, por parte dos cristãos, que achavam-se no direito de estuprar o mundo todo, cada povo e cada cultura, com a finalidade de submeter cada cultura segundo à vontade do deus ciumento, deles. Por isto, os cristãos, foram premiados como sendo os patrões-chefões dos Seres Humanos?

E, desse modo, foi um dos motivos pelos quais Paulo de Tarso (o São Paulo - nota do aqui tradutor) afirmou que o patrão é patrão por vontade de deus, e que ao patrão a mesma obediência que se deve a deus é devida a ele. E é o mesmo argumento pelo qual os reis são reis por vontade de deus, e até que os Franceses não cortaram a cabeça do rei, todos os reis por vontade de deus, mantinham a prerrogativa de fazerem milagres. Ele, o rei, e deus, eram fortes. Exatamente como Moisés e deus.

 

NÃO PRONUNCIARÁS O NOME DO SENHOR, O TEU DEUS, EM VÃO,
JÁ QUE O SENHOR NÃO TERÁ COMO INOCENTES
AQUELES QUE PROFERIREM EM VÃO O SEU NOME

Chame um milhão de vezes o nome e você mudará a imagem produzida em sua dimensão verdadeira!

A verdadeira dimensão é O VERDADEIRO NOME DAS COISAS.

O fruto da imaginação, o fantástico, é o que envolve o Ser Humano, que assim se subtrai da realidade. Quando o quimérico é reproduzido na realidade, assume um redimensionamento, onde novas dimensões são produzidas no que se refere à realidade em que o indivíduo vive.

É uma das coisas que mais aterroriza o deus dos Hebreus: ser reduzido a puro produto da imaginação.

O deus dos hebreus apareceu sobre uma montanha, na fuligem e entre raios, enquanto o povo se aterrorizava. O povo deve ser atemorizado somente com o pensamento da ira do seu deus. Só que o seu deus não existe! Existe somente a ira e o terror incutidos, provocados no povo, e que são alimentados por Moisés e pelos seus herdeiros. O terror de Moisés e dos seus herdeiros SOMENTE é possível se o deus deles continuar a suscitar terror, e as pessoas continuarem alimentando essa imaginação fantástica dentro das cabeças delas.

O nome da coisa, em sentido religioso, manifesta a natureza íntima da coisa em si. A sua realidade! Na realidade nós nos comparamos com as coisas que nos cercam, e exatamente pelo fato de nos avaliarmos com as coisas, que nos rodeiam, que essas coisas assumem um significado. O nome das coisas, não constitui um conjunto de letras, mas manifesta a emoção que sentimos no quantificarmo-nos com a própria coisa. A grande emoção de uma descoberta transforma-se em um quotidiano, quando aquela descoberta assume um nome e vem a ser usada em todos os dias, o seu uso constante não mais provoca a emoção da primeira vez, torna-se normal. Tentem imaginar um Ser Humano que descobre um pequeno tronco de árvore para poder atravessar um pequeno lago. Dia após dia, experiência após experiência, torna-se hábil. A emoção não é mais a mesma da primeira vez, torna-se uma habilidade da própria existência.

É desse mesmo modo que o terror imenso do deus dos Hebreus, foi inculcado, imposto. Se vocês têm medo de enfrentá-lo, na imaginação Humana ele surge como se fosse um gigante inatingível e temido, mas se vem a ser nomeado, se lhe são elencados os atributos, se for averiguado na experiência quotidiana, se for colocada à prova a sua palavra, ele simplesmente é reduzido àquilo que realmente é: uma mentira!

O deus dos hebreus antes e dos cristãos depois, constitui somente uma mentira, que se revela nominando-a.

Por esse motivo foi proibido chamá-lo pelo nome, foi proibida ser revelada a sua verdadeira natureza! Serão os linchamentos com apedrejamentos e as atrocidades, que manifestarão no Sistema Social o terror dos deus dos Hebreus. Enquanto na Roma Antiga dizia-se que as ofensas feitas contra os DEUSES representam questões que interessam aos DEUSES, entre os hebreus e cristãos será praticado o terror para impor aos indivíduos uma realidade emocional do deus patrão deles.

Até há poucos anos na Itália a "blasfêmia" era considerada ainda um crime. Mas o que é a blasfêmia? Nada mais é senão a confirmação emocional da verdadeira natureza do deus-patrão dos cristãos: tipo a blasfêmia popular "deus porco!" Não teria sido ele, duvidosamente, quem teria exterminado com a humanidade, por meio do dilúvio universal? Portanto, é um criminoso, um assassino, que em termos populares e imediatos soa como uma afirmação emocional repleta de rebelião contra o domínio dele. Precisamente: "deus porco!"

 

RECORDA-TE DO DIA DO REPOUSO, PARA SANTIFICÁ-LO.

DURANTE SEIS DIAS TRABALHARÁS DEDICANDO-TE ÀS TUAS OBRAS. MAS O SÉTIMO DIA É O DIA DO REPOUSO PARA O SENHOR, O TEU DEUS. NESSE DIA NÃO FARÁS NENHUM TRABALHO NEM TU, NEM O TEU FILHO, NEM A TUA FILHA, NEM O TEU SERVO, NEM A TUA SERVA, NEM O GADO OU O FORASTEIRO QUE ESTÁ DENTRO DAS TUAS PORTAS, PORQUE EM SEIS DIAS O SENHOR FEZ O CÉU, A TERRA E O MAR. E TUDO AQUILO QUE ELES CONTÊM.

MAS NO SÉTIMO DIA ELE REPOUSOU. POR ISTO O SENHOR ABENÇOOU O DIA DE SÁBADO E O SANTIFICOU.

Neste Mandamento uma falsidade atroz, monstruosa, é revelada. Tem sido vendido aos homens, com frequência, como sendo necessário, que repousassem dos trabalhos executados nos outros seis dias. Isto como se, na antiguidade, os trabalhos fossem feitos durante os sete dias.

Este Mandamento lido de modo correto: trabalharás sete dias. O trabalho do sétimo dia é o de constranger a ti próprio e todos os outros sobre quem dominas, para santificá-lo. O sétimo dia dedicas a MIM, diz o deus dos Hebreus. Para os Hebreus e para o Comando Social, isto seria um repousar-se. Na realidade isto não é verdadeiro. é o trabalho dos trabalhos porque constitui a renúncia de si mesmo para que a pessoa se dedique ao próprio deus-patrão, que trabalhou seis dias, e no sétimo dia descansou. Mas o deus-chefão, no sétimo dia, não o dedicou aos homens. No entanto, pretende que os homens o dediquem a ele.

Seis dias trabalharás, neles todos, 24 horas completas, e no sétimo dia me honrarás 24 horas exatas.

Alguém poderá dizer: "Mas não, não é assim!"

É verdade, não é assim: mas somente porque o Ser Humano tem limites físicos. Até há não muito tempo, trabalhava-se 12-24 horas por dia e com frequência também 16 horas, em especial as mulheres. Também hoje isso acontece em muitos lugares. Essa é a vontade do deus-patrão dos Hebreus.

Para o deus dos Hebreus não existe uma vida fora de, tão-somente, duas ocupações: o trabalho e a sua santificação.

Os indivíduos enquanto tais, para o deus dos Hebreus, não existem. Não têm uma subjetividade, não tem desejos: somente ele tem a ganância de ser santificado!

Somente o Comando Social dos Seres Humanos quer ser santificado, honrado, reconhecido e exaltado.

Não se trata de repouso para o homem, mas de sacrifício, fora das ocupações normais, que tem a finalidade de trabalhar para santificar o deus dos Hebreus.

Existe um outro aspecto perverso (lido com os olhos de hoje, mas também com os olhos de ontem), que de uma condição social passa a ser a MANIFESTAÇÃO DA VONTADE E DA IMPOSIÇÃO DA ORDEM DIVINA do deus dos Hebreus (e dos cristãos posteriormente). Há pouco tempo a nossa Corte de Cassação prolatou uma sentença afirmando que as crianças são sujeitos de direito: o deus dos cristãos e dos hebreus afirma que são SOMENTE objetos de posse. O filho é uma coisa sua, como uma coisa sua é a sua filha, e o gado, e assim devem obedecer a você, do mesmo modo o forasteiro que estiver dentro das suas portas. É o indivíduo que é proprietário por vontade do deus dominador, e exercita a titularidade sobre pessoas não em função de um bom viver, mas em função da obediência e da santificação do próprio patrão.

O sétimo dia tem a função de confirmar a submissão dos indivíduos ao deus dominador dos hebreus. Esse deus-patrão congratula-se vendo como os hebreus e os cristãos o santificam parando a atividade deles, e enquanto param com a atividade santificam o proprietário deles, para o repouso, sem perceberem que o deus-patrão lhes impôs 6 dias de trabalho!

 

INTRODUÇÃO DA SEGUNDA PARTE DOS DEZ MANDAMENTOS!

A primeira parte que, comumente é definida como os "Dez mandamentos", fala-nos do domínio de deus sobre os Seres Humanos. Um domínio absoluto que o deus dos hebreus e dos cristãos justifica com o fato dos Seres Humanos serem covardes. São patifes e devem ser mantidos na covardia, por meio do terror contínuo e sistemático.

De um lado temos as ameaças do deus-chefão e de outro lado temos todas aquelas ações de domínio e repressão, que em nome desse deus-patrão dos hebreus e dos cristãos, são verificadas, também, em relação àqueles Seres Humanos que não se submetem com todo o coração e alma às pretensões do deus-dominador. As guerras para impor o deus-patrão pertencem aos hebreus, primeiramente, e aos cristãos posteriormente. A repressão social para impor a submissão e a obediência a esse deus-proprietário, e consequentemente às suas ordens, é própria dos hebreus em primeiro lugar e dos cristãos e dos muçulmanos depois. Os hebreus com os apedrejamentos em nome do deus deles, e os cristãos com as fogueiras em nome do deus deles, marcaram profundamente a história da humanidade.

O deus-possuidor dos hebreus e dos cristãos está à parte da lei. A lei é aquilo com que ele se serve, sem uma harmonia ou equilíbrio entre poderes ou entre sujeitos. A lei está ao serviço do Comando Social, que se identifica com o deus-senhor-todo-poderoso, para poder obter a obediência, só que não é uma obediência que tem a "finalidade de o mais fraco alcançar e obter justiça em relação ao mais forte" (Hammurabi). Uma lei que permite a pretensão do mais forte obter a submissão do mais fraco; uma lei que legitima o mais forte a usar da violência e do massacre também para que obtenha a submissão. É provavelmente uma das coisas mais atrozes que a humanidade tem sofrido.

A segunda parte dos Mandamentos deve ser interpretada no conjunto como se expressa.

O que significa isto?

Significa que não podemos falar da 2a. parte dos Mandamentos sem enquadrá-los na primeira parte. O conceito de não matar é um conceito adquirido, porque é um conceito óbvio nas relações humanas. Um conceito usual apesar de manifestar numerosas exceções, dentro das quais matar é, por outro lado, também óbvio. O problema é prescrito pelas exceções e por quem governa as exceções. O deus-patrão, na primeira parte, ordena de não ser proferido o seu nome em vão. O não matar tem a exceção para aqueles que administram o direito de aterrorizar, proveniente desse deus-patrão; esses matam a quem proferiu em vão o nome do deus-proprietário deles. Assim, o "não-matar", que parece óbvio para quem não tem o poder social para matar, torna-se uma prática normal de matar para quem deve impor, exigir, de quem não pode se defender, esse dever de não- matar. Afirmar o "não-matar" sem definir outros meios através dos quais solucionar as contradições que atormentam as vidas das pessoas, equivale a obrigar as pessoas a sofrerem a contradição sem ter como resolvê-la: a solução da contradição mediante o matar é punida com a morte!

Vejamos como o direito ocidental outra coisa não é senão um processo progressivo de liberdade social, manifestado dentro de uma estrutura jurídica absolutista aonde na base não há leis, mas o direito do delegado de deus, na Terra, de manifestar, arbitrariamente, a sua vontade própria cuja finalidade é a de desfrutar do domínio absoluto sobre as pessoas.

Da Magna Carta até hoje, a história ensina.

A interpretação da segunda parte considera que as pessoas, o povo Hebreu e os cristãos, são o povo do deus-proprietário que impôs o seu domínio, subtraindo-se pela sua vez de ser sujeito de discussão das pessoas do próprio povo. Deus é o patrão e ninguém pode controlar as ações dele. Enquanto patrão, diz ao seu gado, como esse gado deve se comportar para que ele possa prosperar com esse gado. A segunda parte dos Mandamentos vem imposta às pessoas que estão dentro de um estábulo ou de um refúgio, pessoas que são a nutrição desse deus. Quanto mais forem as pessoas que agem, segundo as diretivas do deus, mais ele se nutre da devoção delas. Quantidade e qualidade! Onde a quantidade é representada pelo número de pessoas ajoelhadas e submetidas aos ditames do deus-patrão, e a qualidade é representada pela devoção absoluta ao deus-chefão, que é obtida seja pelo terror (a ameaça das represálias) ou seja em reconhecimento porque ele as retirou fora das terras do Egito, a casa da escravidão!

 

SEGUNDA PARTE DOS DEZ MANDAMENTOS

"Honra teu pai e tua mãe,
para que sejam prolongados os teus dias sobre a terra,
que o Senhor, teu deus, te concede"

Com este Mandamento, existe uma vontade de destruir a possibilidade do homem de enxergar o tempo que lhe vem de encontro. Os filhos são submetidos ao modelo dos pais. Os pais foram aterrorizados, os pais ensinam aos filhos como devem se comportar dentro do terror que os perturba; os filhos são obrigados, mediante o terror, a se nivelarem, sob pressão, aos comportamentos dos pais; os comportamentos dos pais fazem emergir dentro deles o terror que constrói a angústia através da qual, pela vez deles, será transmitida aos seus filhos.

Pai e mãe donos dos filhos; os filhos em função do pai e da mãe.

Quanto se consolam o pai e a mãe, que já velhos, são servidos pelos filhos!

É o exemplo físico que serve aos filhos para reapresentarem o domínio deles, pela vez deles, aos seus filhos. Os pais se enfraquecem, assim também os filhos se debilitarão; os pais terão necessidade de ajuda e, assim, também os filhos preveem um dia estarem necessitados de ajuda.

Este sistema mental provoca um curto-circuito em si mesmo e se sustenta tão-somente na medida em que o Sistema Social não constrói estruturas em função dele mesmo. Um sistema mental que se mantém somente na ausência de um estado social. Um estado social que não é organizado ou é organizado de maneira aproximativa, com o único fim de impedir que os filhos venham a se subtrair do controle emocional dos pais.

Ao contrário, a apreensão que um sistema semelhante gera, produz uma violência extrema contra quem não participa do rebanho. O rebanho submetido às ordens do deus-patrão dos Hebreus e dos cristãos, manifesta uma violência absoluta para quem não adere a esse rebanho, porém vive em Sistema Social que oferece maior assistência e maiores benefícios sociais. Temos um exemplo na crítica de Celso, segundo o qual, os hebreus faziam escândalos porque, ao continuarem fazendo filhos, negligentemente, reclamavam das possibilidades do Sistema Social garantir-lhes boas condições de vida. Esta crítica de Celso podemos reproduzi-la como crítica a todos os comportamentos dos missionários cristãos, que estão devastando a África e as Américas neste momento. A violência que o gado submetido aos deus-patrão, dos Hebreus e dos cristãos, cometida contra quem não pertence a esse gado, ou pertence a rebanhos diferentes, é finalizada na vexação e com o genocídio.

A prática da opressão e do massacre é desenvolvida através do constrangimento dos filhos em benefício dos pais. Filhos dos quais destrói-se a expansão natural ao infinito, colocando-os aos serviços dos pais (que deixaram não somente de manifestar tal expansão, por medo dela, ao ponto de reprimi-la, constantemente, nos novos nascidos, repressão essa finalizada em amansar a angústia deles).

O genitor, em vez de construir um Sistema Social que garanta aos filhos boas condições de vida, destrói no filho a expansão do mesmo em direção ao infinito, preferindo assegurar-se de tê-lo como um servo. Um servo que, sendo incapaz de construir pela vez dele, boas condições de vida, será oprimido pela apreensão de constranger seu próprio filho a fazer-se seu servo, pois a velhice futura o aterroriza, e assim constantemente nas gerações que se seguem.

Com este Mandamento, o rebanho, geração após geração, encerra-se em si mesmo manifestando a angústia que possa defendê-lo do medo de dever enfrentar o futuro. A inquietude leva o rebanho a ter comportamentos violentos e destrutivos contra àqueles Sistemas Sociais que, construíram condições na sociedade capazes de garantir aos filhos um modo diverso de poder enxergar o tempo, que inevitavelmente lhes vem de encontro.

Um outro aspecto a ser avaliado é o abandono desse deus-patrão. "Se tu és servo dos teus genitores - diz -, eu prolongo os teus dias na terra!" Não existe nada além da morte do corpo físico. Tu estás sobre a terra! Tu estás num refúgio! Tu estás numa arena! Se tu te comportas como eu quero que tu te comportes, te abato no matadouro um pouco depois, mais tarde. Deixo-te viver sobre a terra um pouco mais. Eu, como deus-dominador, decido quando tu deves morrer. Isto é, segundo o meu prazer: destrua a tua vida servindo aos teus genitores e eu te concedo uns dias a mais!

Não Matar

Disto já falamos no preâmbulo da segunda parte.

A atrocidade dessa ordem está no fato de que o "não matar" é imposto por quem, há pouco tempo, havia cometido uma carnificina com todos o primogênitos egípcios, simplesmente pelo prazer em cometer essa matança com todos esses primogênitos egípcios.

Quem dá a ordem às pessoas do gado, para "não matar", é aquele que se emporcalhou com matanças atrozes!

As pessoas do gado não podem matar para solucionarem os problemas delas. O deus dos Hebreus e dos cristãos, soluciona os seus problemas pessoais de posse dos Seres Humanos, por meio de matanças e massacres. Ao mesmo tempo ordena a Moisés para que matasse e para que se matasse a quem não obedecesse às suas ordens. As pessoas matam, violando o "não matarás", com o objetivo de se garantirem de que outras pessoas não matem.

Então, a ordem dada pelo Mandamento, não é "não matarás", interpretado como uma ordem absoluta a todos, sem diferenciação, mas deve ser interpretada do modo correto, isto é:" TU NÃO DEVES MATAR, EU POSSO. QUANDO EU ACHAR NECESSÁRIO, MATA!"

Aquele "eu posso, quando assim me convier matar", não é determinado por uma condição jurídica, ou por um direito, mas é determinado por vínculos de força que se estabelecem dentro de um Sistema Social. Esses vínculos de força, como diz Paulo de Tarso, representam a vontade do deus-patrão dos Hebreus e dos cristãos.

O Mandamento é interpretado, portanto, no sentido de que as pessoas devem se entregar à qualquer perversão, à qualquer conspiração, falsidade e ao homicídio desde que se garantam, dentro do Sistema Social, aquele vínculo de força que lhes permita matar, seja dentro ou fora (do país) aonde se encontram em virtude e em nome do deus-patrão.

Vimos que essa relação de força dentro do Sistema Social permite aos seguidores do deus-patrão assassinarem, internamente ou externamente (em outras terras), dentro da graça e por conta desse deus-chefão.

Esta interpretação está correta a tal ponto que os cristãos, quando tiveram o controle do Comando Social em Roma, prosseguiram em suas destruições e inclusive com a devastação da medicina, o objetivo era o de demonstrarem ao deus-patrão, deles, que consentiam que esse deus matasse todos aqueles que ele quisesse. Ou seja, para os cristãos era esse deus- todo poderoso que estava no direito de dar a morte ou a saúde através da sua bênção.

A pergunta é: o deus-poderoso dos Hebreus, que mata, pode ser processado por esse delito?

Se a resposta é SIM, então o Sistema Social pode fornecer a ele mesmo as normas jurídicas capazes de disciplinar as relações sociais entre as pessoas, e entre as pessoas e o Comando Social!

Se a resposta é NÃO, nesse caso, a única regra em vigor no Sistema Social é matar, para oprimir, contanto que o mais forte não te mate para não ser afrontado!

 

Não Cometer Adultério

O "não cometer adultério" é um Mandamento imposto ao Ser Humano para que ele não sai dos seus próprios confins.

As pessoas são consideradas cavalgaduras de um aglomerado que está submetido ao deus-patrão, são isoladas dentro de um espaço limitado. O "não cometer adultério" constitui a ordem para não saírem desse espaço, porque do contrário podem satisfazer os seus desejos pessoais.

Não existem as finalidades pelas quais o adultério é proibido. O deus-chefão e todo-poderoso, não diz porquê é proibido; aliás, o deus-patrão não explica jamais porquê impõe esta ou aquela ordem. Cometer adultério ou fornicar significa liberar dos limites a satisfação do desejo próprio, de natureza sexual. Se as necessidades de natureza sexual são liberadas dos limites impostos, então não existe por parte do deus-patrão e nem por parte de quem quer que seja (que manifeste o terror disseminado por esse mandamento no Sistema Social) a possibilidade de controlar emocionalmente os indivíduos. O que se consegue é que a capacidade para aterrorizar, do Comando Social, perde o sucesso, na sua atividade de aterrorizar, em relação àqueles indivíduos que tendo colocado inflexíveis limites (ou tendo impulsos sexuais que não admitem a necessidade da liberação desses limites) à própria expressão sexual vêem nessa atividade de repressão, do"anormal", uma ratificação das suas escolhas próprias.

A atividade de repressão de um Comando Social no que se refere à comportamentos sexuais das pessoas, do Sistema Social, é possível UNICAMENTE porque uma parte das pessoas, desse Sistema Social, faz dessa repressão uma reafirmação de si mesmas.

Os motivos pelos quais o "não cometer adultério" são estabelecidos pelas pessoas que devem constranger outras pessoas a não cometerem adultério, são os estabelecidos por quem reprime física e militarmente, a sexualidade dos Seres Humanos. É quem manifesta, uma vez ou outra, aquelas explicações cômodas à sua atividade de repressão.

"Vamos impedir a sexualidade porque traz doenças sexualmente transmissíveis!" As doenças são combatidas precisamente praticando-se a sexualidade. Na realidade, o que se quer impedir é a própria sexualidade e por puro escopo de terror, usando-se das doenças sexualmente transmissíveis, ou venéreas (termo em desuso). Como hoje está acontecendo com a AIDS. Do momento que o deus-patrão dos Hebreus e dos cristãos, quer impedir a prática da sexualidade das pessoas, ao mesmo tempo os missionários cristãos anunciam o não uso do preservativo com fim de difundir a AIDS, e com essa propaganda difundem o terror pela sexualidade. Não existem explicações para o Mandamento, que não sejam explicações carregadas de ódio pela sexualidade humana que tem o deus dos hebreus e dos cristãos.

Portanto, as pessoas devem continuar sendo ovelhas do rebanho, aterrorizadas só com a ideia de saírem do rebanho (do deus-patrão dos hebreus e dos cristãos). De qual modo pode-se obter isto, senão com a obtenção de uma demarcação da manifestação dos desejos das pessoas, dentro de um âmbito restrito, do próprio rebanho? O fato de que pertences ao rebanho, te garante que tu podes manifestar daquele modo, moralmente aprovado pelo deus-patrão, os teus desejos. Geração após geração, SOMENTE daquele modo podes satisfazer os teus desejos sexuais, a tal ponto que hoje assistimos crises de identidade masculina devidas ao fato de que os Seres Humanos masculinos são educados a satisfazerem os desejos próprios, como lhes ensinou o deus dos cristãos; enquanto o Ser Humano feminino está saindo do constrangimento que o deus dos cristãos lhes impôs.

A crise de geração da sexualidade hodierna é fruto da atividade do terror que os cristãos impuseram, e estão impondo sobre os homens por meio do mandamento "não cometer adultério."

Recordo-lhes, além disto, que a prática do sexo pelo sexo, age diretamente sobre a estrutura emocional liberando-a do constrangimento, da obrigação. No mito da Grécia Antiga há Eros, aquele que surge do nada e é manifestado por cada Autoconsciência que se forma. Com o tempo a figura de Eros se transforma e se torna Amor como filho de Vênus. Eros que dissolve as obrigações é visto pelos Gregos como ato de amor, o sexo carnal, capaz de dissolver as obrigações emotivas. Disto, o deus-patrão dos Hebreus antes e dos cristãos depois, tem medo. Dissolver as obrigações emocionais significa construir a liberdade subjetiva. Melhor finalizar o ato sexual somente para a procriação de novos gados que estejam à disposição do deus-patrão e todo-poderoso, e também reduzir, quando possível, a prática do sexo por parte dos Seres Humanos. Assim, se tornarão animais obsessivos, psicóticos.e dóceis dentro do recinto de propriedade do deus-patrão e dos seus representantes.

 

Não roubar

Também o Mandamento "não roubar" nem é finalizado, nem é especificado.

Não especifica nem o sujeito que possui, nem as condições que formam a posse, nem as modalidades pelas quais esta ação de roubar é definida.

Nos provérbios egípcios está escrito "não mover a pedra que delimita" ou "não subtrair qualquer coisa do pobre ou da viúva". Existem as ações e os sujeitos identificáveis por aquilo que é reprovável.

Ninguém diria que "roubar" é justo, mas cada pessoa, sobre o "roubar", projeta aquilo que ela imagina ser o "roubar". A ação de "roubar" se torna mais ou menos reprovável segundo os relacionamentos de força social manifestados de quem seria "roubado".

Diremos hoje que, também o acúmulo do mais-valor (plus-valia) mesmo sendo consentido juridicamente, na medida referida pela norma jurídica, por um ponto de vista filosófico, elegante, é roubar, porque subtrai valor de quem produziu tal valor.

Assim, quem detém o Comando Social, diz: "Esta pessoa roubou!"

O Ser Humano, há alguns milhares de anos mais ou menos, era um Ser Animal colecionador. Tomava da Natureza as plantas que lhe serviam: essa ação era roubar? Os Seres Vegetais atuam de modo que os seus próprios frutos sejam apetecíveis para que outros Seres os comam e dispersem as sementes: esses Seres estão roubando? Para o deus-patrão dos Hebreus e dos cristãos, a resposta é: SIM! Estão roubando! Por quê esta é a resposta dos Hebreus e dos cristãos? Porque as pessoas podem se apropriar de bens (seja de qual natureza for) somente por meio do esforço ou da submissão. Ou pelo esforço do trabalho, ou pela submissão ao Comando Social, que é o único proprietário dos bens, inclusive da Natureza, aonde o povo vive mas está sob o Comando. Tentem se lembrar quando era proibido caçar, se alimentar ou colher lenha nas terras do rei ou da paróquia. A terra constitui propriedade do Comando Social que a concede no sentido, somente, para o fim de reforçá-lo, fortificá-lo, por meio dessa mesma concessão. Os feudatários, as batalhas feudais, os servos da gleba, etc., constituíam um modo através do qual sancionar entre o povo o direito de chefia do imperador. O imperador beijava os pés somente do papa católico.

Nasceu a moeda e as sociedades mercantis, que fazendo surgir o capital financeiro, construiu um modo diferente através do qual controlar as pessoas. Por outro lado, as pessoas tiveram acesso à riqueza e puderam, igualmente, entre mil acontecimentos, comprarem casa, terra, mas sobretudo tiveram aquela liberdade de movimento e de cultura que levou as pessoas a saírem do horror cristão.

O conceito de "roubar" se modificou. Aquilo que há um certo tempo tinha valor (a lenha abandonada, por exemplo) hoje não tem mais.

O que sobrou é a finalidade pela qual o Mandamento proíbe o roubar: impedir as pessoas de se tornarem independentes da capacidade de controle e de domínio do Comando Social, e construírem a própria existência em funções dos desejos próprios. Sei que a nossa ideia social, hoje, é diferente do que foi exposto, no entanto, o problema é que quem segue esses Mandamentos DEVE fazer, sim, com que as pessoas não sejam sujeitos de direito, mas objetos de caridade.

O que é o oposto de roubar quando se está na necessidade?

É o pedir!

É pedir uma doação de "bom coração"! É pedir caridade!

Quem pede caridade se humilha para ter somente aquilo de que necessita. Quando uma pessoa se humilha o Comando Social detém a posse emocional dela.

Portanto, que as pessoas não roubem, mas que peçam a caridade (ou que acabem com a coluna espinhal pelo excesso de trabalho).

O não roubar tem a finalidade de transformar as pessoas em sujeitos necessitados que não peguem aquilo que lhes serve, mas que sejam suplicantes no que se refere ao Comando Social. Transformar as pessoas em miseráveis.

Não confundamos o "não roubar" dos Mandamentos com as regras das leis sociais de hoje, em vigor, que determinam as normas da propriedade e da formação da propriedade. Essas normas pertencem àquilo que é definido no Antigo Direito Romano, visto antes no Direito Mercantil e nas sociedades iluministas depois, que é a possibilidade de cada sujeito acumular uma quantidade de riqueza, que possa servir-lhe para viver. O não roubar da bíblia é aquele imperativo cuja finalidade é a de transformar os homens e povos em pedintes.

Ainda hoje, em seguimento a este Mandamento, na nossa estrutura jurídica, apesar da Constituição da República, é condenado proporcionalmente a uma pena maior quem furta duas maçãs em supermercado, e não aqueles que roubam milhões por desfrutarem de uma posição de poder. Isto porque quem furta duas maçãs está violando o direito do deus-patrão que usufrui da miséria, enquanto quem rouba milhões, usufruindo da sua posição social, é como se fosse o deus-patrão que roubasse a sociedade.

 

Não levantar falso testemunho contra teu próximo

As pessoas estão dentro de um aglomerado, gado, submetidas à vontade do deus-chefão e dos seus representantes. A necessidade do deus todo-poderoso e dos seus representantes, é a de conhecer, exatamente, quais são os indivíduos que obedecem e são submissos e quais são os indivíduos que colocam em dúvida a autoridade deles e dos Mandamentos deles. Portanto, há a necessidade de controle.

O deus-patrão dos Hebreus primeiramente, e dos cristãos posteriormente, é nutrido pela submissão da parte do SEU povo. Se no SEU povo existe uma rebelião contra essa submissão, ele DEVE intervir imediatamente e com precisão. O deus dos Hebreus e dos cristãos não pode tolerar ser enganado, exatamente como não podem tolerar isso os juízes que são delegados desse deus-patrão dos Hebreus e dos cristãos, que mantêm um controle militar desse povo.

Para que possa ser compreendido este Mandamento e o respectivo impacto que ele causa sobre as vidas das pessoas, temos que ter em mente que o elemento principal a ser considerado é o JUIZ! O juiz, em nome do deus-chefão, determina se as pessoas aderem ao Mandamento ou se estão se rebelando contra ele. O Mandamento constrange as pessoas a um determinado comportamento. Não tolera outros. Mas a necessidade de um testemunho verdadeiro ou falso não é em função da vida, mas em função das ordens presentes do deus-patrão que obrigam as pessoas à submissão. Sem as ordens que obrigam as pessoas à submissão não seria necessário o testemunho por meio do qual condenar ou absolver as pessoas. O falso testemunho é o terror do deus todo-poderoso em arriscar-se condenar pessoas que aderem a lei, ou de absolver pessoas que desobedecem a lei. O testemunho é necessário ao deus-patrão, NÃO ÀS PESSOAS.

Por meio de qual direito tu te elevas a juiz?

Com qual direito tu me impões um determinado comportamento?

"Tirei-te da terra do Egito, a casa da escravidão!"

E quem te pediu isso?

Se era um gado, esse gado agora está morto no deserto! Por quê devo morrer em um recinto no qual tu me obrigas através dos teus Mandamentos?

Meu filho mente? E por quê devo surrá-lo? Para reduzi-lo a um impotente? Somente porque a ti isso dá prazer? O meu filho e os filhos da sociedade mentem?

E por quê devo condená-los? Por acaso são quadrúpedes que conduzo ao matadouro? Certamente o meu companheiro não mente, porque enfrentamos juntos a vida.

Talvez não estejamos de acordo; é possível que nos degolem por escolhermos caminhos diferentes. Diante da vida a subjetividade dos indivíduos manifesta visões diferentes, mas é a vida que manifesta a riqueza das próprias diferenças!

A mentira existe lá, aonde a verdade deve violentar os indivíduos para submetê-los a ela. A verdade que brutaliza os indivíduos para destruir o vir a ser deles no infinito: o mentir que tem a finalidade em salvaguardar a si mesmo e os processos próprios de transformação subjetiva, diante de um juiz, que contempla as pessoas aterrorizadas, de joelhos, diante dele.

Deixo às pessoas refletirem sobre esse Mandamento.

As minhas palavras mentem a respeito de certas coisas, as minhas mãos explicam ações!

Como são abundantes os tapa-olhos das pessoas que ouvem as palavras (traduzindo-as na imaginação delas), e não sabem enxergar as ações das minhas mãos!

Essas pessoas, que se fazem de deus-patrão ou representante dele, ou juiz de indivíduos indefesos afirmam: "Deves dizer a verdade!" Só que a verdade que procuram está somente na imaginação deles e acabam torturando as pessoas desse modo: "Não levantes falso testemunho contra o teu próximo!"

Quem tem força para torturar a quem não pode se defender, é aquele que pretende que as pessoas não digam coisas que sejam contrárias à imaginação dele.

Deem uma olhada aos processos das mulheres chamadas de Bruxas por parte da inquisição de Wojtyla.

Transformem os Seres Humanos em gado e pretendam que o gado seja coerente com a realidade própria do gado, que está à disposição de vocês!

 

Não desejarás a casa do teu próximo;
não desejarás a mulher do teu próximo,
nem o seu escravo nem a sua escrava,
nem o seu boi ou o seu asno,
nem coisa alguma que seja do teu próximo

Neste último Mandamento presenciamos a definição de quem é o próximo e o que são as coisas possuídas do próximo.

O próximo é aquele que venera a lei. As coisas, possuídas do próximo, não estão sujeitas à lei, mas somente à vontade do próximo que a manifesta mediante o próprio prazer da posse, de tais coisas. As coisas do próximo não estão submetidas à lei, somente o próximo é que está submetido à lei. As coisas do próximo estão subjugadas à vontade do próximo.

O Mandamento do deus dos Hebreus e dos cristãos, nos diz qual coisa não podemos desejar daquilo que pertence ao próximo, e quais são as categorias hierárquicas do que pertence ao próximo.

É do próximo, antes de mais nada, a casa.

A casa é, segundo o deus dos Hebreus e dos cristãos, o objeto que primariamente pertence ao próximo. É a coisa que qualifica o próximo, tanto é que é o primeiro objeto de desejo do que pertence ao próximo. Recordemos que uma das ações que efetua o Estado de Israel, em confronto com os Palestinos, é a de demolir a casa destes. Ao mesmo tempo constrói casas, os colonos, com as quais ocupam o território dos palestinos. O sequestro de bens era largamente praticado pelos tribunais de inquisição cristã em disputa contra aqueles que eram acusados da prática de Stregoneria.

A casa é, portanto, o primeiro objeto de desejo das pessoas que não devem desejar possuir aquela que já é possuída pelo próximo.

Além disso, o próximo possui uma mulher, possui um servo e uma serva ( no Deuteronômio traduz-se como escravo e escrava, não acredito que do ponto de vista das relações pessoais façam muita diferença. Quando Jesus fala do servo, na realidade se refere a um escravo. Penso que a diversidade de tradução entre o Êxodo e o Deuteronômio seja somente uma esperteza. No comum as pessoas leem o Êxodo, e mais raramente o Deuteronômio!); possui um asno, possui um boi e outras coisas genéricas.

Possui!

O deus dos Hebreus e dos cristãos, possui os Seres Humanos, chamando-os de seu povo; os indivíduos do seu povo possuem! Quem não pertence ao SEU povo possuído, anuncia exterminá-lo como fez com os primogênitos egípcios, que evidentemente não são seus.

As pessoas não são, mas têm!

As pessoas não têm um futuro, mas são possuídas!

A pessoa possuída DEVE permanecer no âmbito em que o seu deus-patrão determina a qualidade de vida dela.

Aparentemente parece muito lógico afirmar-se que dentro de um Sistema Social uma pessoa não deve prejudicar alguém expropriando-o. O que não é lógico é condenar o desejo da pessoa. O que este Mandamento impede não é tanto a aquisição do bem, mas o desejo que estimula as pessoas a adquirirem qualquer coisa. Onde a aquisição não é apenas o bem, que possuído do próximo, nos propicia o desejo de possuí-lo, mas se trata de aquisição como conhecimento, como Poder de Ser, como capacidade do Ser Humano de enfrentar a vida estimulado pelo desejo de modificar as próprias condições de vida.

Todo esse Mandamento parte do pressuposto de que a casa, a mulher, o escravo, a escrava, o boi e o asno, pertence ao vizinho por concessão do deus-patrão, de quem emanou o Mandamento, não porque o Ser Humano os tenha adquirido de qualquer modo. O desejo é condenado porque, segundo o deus-patrão, o indivíduo não pode efetuar estratégias com o desígnio de adquirir o objeto desejado (que não é, necessariamente, a subtração do objeto do vizinho; pode ser inclusive um plano de trabalho, seja de construção ou com finalidades comerciais, etc.) porque o objeto que o indivíduo deseja, constitui uma concessão do deus-patrão e todo-poderoso, e não constitui uma aquisição merecida pela própria atividade do indivíduo em particular, ou dos indivíduos dentro do Sistema Social.

O que é condenado, definitivamente, nesse Mandamento?

Condena-se o desejo de cada pessoa, ou das pessoas num todo, em melhorar as condições de vida. Porque, as condições de vida te foram dadas por deus, e tu deves aceitá-la. Não podes desejar modificá-las: só o desejo de modificar as condições de vida constitui um pecado contra o deus-patrão.

CONCLUSÃO DOS DEZ MANDAMENTOS

Com isto concluo o comentário.

Evitei mencionar o impacto social e emocional que esta estrutura pseudo-jurídica causa nos indivíduos, mas tentem pensar em quantas distorções essas ordens do deus-patrão, dos Hebreus e dos cristãos, têm provocado.

Diante de uma Constituição da República em vigor na Itália há quase sessenta anos, aonde é previsto que as pessoas são sujeitos de direito, ainda hoje, há indivíduos que ocupam cargos em Instituições, seja da Magistratura sejam em outras Instituições Nacionais, que se comportam como se as pessoas fossem objetos de posse. As pessoas que ocupam cargos institucionais julgam que são investidas em tais cargos por um mandato e por um privilégio concedido pelo deus-patrão. Uma estrutura Constitucional inteira violentada pela tentativa do deus dos Hebreus e dos cristãos em transformar as pessoas em objeto de posse através de um condicionamento educacional que destrói, estupra, a estrutura emocional das crianças.

Cito os textos do Êxodo e do Deuteronômio da Bíblia popular:

 

A BÍBLIA: ÊXODO 20, 1-18

" E Deus pronunciou todas essas palavras:
'Eu sou o Senhor, teu Deus, aquele que te fez sair do país do Egito, da casa da escravidão.
Não terás outro Deus além de mim. Não farás nenhuma escultura, nem imagens de coisas que resplandecem no céu, ou estão sobre a terra. Não adorarás tais coisas, nem servirás as elas, porque eu, o Senhor, o teu deus, sou um Deus ciumento que pune a iniquidade dos pais e dos filhos até a terceira ou a quarta geração daqueles que me odeiam; mas tenho clemência até a milésima geração em relação àqueles que me amam e observam os meus mandamentos.
Não pronunciarás o nome do Senhor, teu deus, em vão, já que o Senhor não terá como inocente quem proferir em vão o seu nome.
Recorda-te do dia do descanso, para santificá-lo. Por seis dias trabalharás ocupando-te das tuas obras, mas o sétimo dia é o dia do descanso para o Senhor, teu Deus; não se fará nesse dia nenhum trabalho, nem tu, nem teu filho nem tua filha; nem o teu servo nem a tua serva, nem o gado ou o forasteiro que passou pelas tuas portas, já que em seis dias o Senhor fez o céu, a terra e o mar e tudo o que eles contêm, e no sétimo dia descansou: por isso o Senhor abençoou o dia de Sábado e o santificou.
Honra teu pai e tua mãe, para que sejam prolongados os teus dias sobre a terra, que o Senhor, teu Deus te dá.
Não matarás.
Não cometerás adultério.
Não roubarás.
Não levantarás falso testemunho contra teu próximo.
Não desejarás a casa do teu próximo; nem desejarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo nem a sua serva; nem o seu boi nem seu asno, nem coisa alguma que seja do teu próximo."
Todo o povo sentia os trovões e os relâmpagos e os sons da trombeta e olhava o monte fumegante, e com tal visão tremia e não se arriscava a se aproximar. E disse a Moisés: "Fala tu e nos ouviremos, mas que não nos fale o Deus, para que não se morra." Moisés respondeu: "Não temam, o Deus veio para colocar-vos à prova; ele quer que o temor de vós esteja sempre presente, para que não pequem." E o povo se manteve longe, enquanto Moisés se aproximou na escuridão, nela estava o Deus".

 

A BÍBLIA: DEUTERONÔMIO 5, 1-22

"Moisés convocou todo o povo e disse: "Israel, escutai as leis que hoje proclamo aos vossos ouvidos: aprendei-as e protegei-as para colocá-las em prática. O Senhor, o nosso Deus, fez conosco um pacto no monte Horebe. Ele fez esse pacto não com os nossos pais, mas com nós, que ainda vivemos. O Senhor vos falou face à face sobre o monte, no meio do fogo, enquanto eu estava entre o Senhor e vós, para relatar-vos a sua palavra, porque vós tendes medo daquele fogo e não ousastes subir sobre o monte. Ele disse:
"Eu sou o Senhor, o teu Deus, quem tirou-te do Egito, da casa da escravidão.
"Não há outros deuses na minha presença. Não farás nenhuma escultura, nem alguma imagem das coisas que estão lá em cima no céu ou aqui embaixo na terra, ou na água debaixo da terra. Não adorarás aquelas criaturas, e não as servirás, porque eu, o Senhor, o teu Deus, sou um Deus ciumento, que puno nos filhos a iniquidade dos pais, até a terceira e a quarta geração daqueles que me odeiam; mas uso da misericórdia até a milésima geração em relação àqueles que me amam e observam os meus Mandamentos.
"Não pronunciarás o nome do Senhor, o teu Deus, em vão, porque o Senhor não considerará sem culpa quem proferiu o seu nome sem nenhum motivo.
"Observa o dia do repouso e santifica-o, como o Senhor, teu Deus, te ordenou. Trabalha seis dias e execute as tuas obras; mas o sétimo dia é o do repouso, consagrado pelo Senhor, o teu Deus; não executes nenhum trabalho, nem o teu filho e nem a tua filha, nem o teu escravo e nem a tua escrava; nem o teu boi nem o teu asno, nenhuma das tuas bestas; nem o forasteiro que estiver na tua casa; para que o teu escravo e a tua escrava possam repousar como tu. Lembra-te que foste escravo no Egito, e que o Senhor, teu Deus, tirou-te de lá com a mão potente e com o braço estendido; portanto, o Senhor, teu Deus, te ordena para que observes o dia do repouso.
"Honra teu pai e tua mãe, como o Senhor, teu Deus, te ordenou, para que tu tenhas vida longa e prosperidade na terra que o Senhor, teu Deus, te doa. Não mates. Não cometas adultério. Não roubes. Não digas falso testemunho contra o teu próximo. Não desejes a mulher do teu próximo e não cobiçar nem a casa, nem o campo, nem o escravo, nem a escrava, nem o boi, nem o asno, nem nenhuma coisa que seja dele.
"Esses são os Mandamentos que o Senhor impôs à toda a vossa comunidade, sobre o Sinai, no meio do fogo, das nuvens e da neblina, com voz potente, e nada mais acrescentou. Escreveu-os sobre duas tábuas de pedra e as deu a mim."

Esse é o texto da Bíblia no Deuteronômio e no Êxodo, como foi recopiado da Sacra Bíblia das Paoline para o uso popular.

Há uma nota ao texto, que se torna importante a sua reprodução, com base no Deuteronômio, que diz:

"Eu sou o Senhor, o teu Deus"

"Apenas a fé em um deus pessoal pode salvar a ordem moral, determinado pelos Dez Mandamentos do Decálogo, e manter vigorosa, em toda a sua dignidade, a vida dos indivíduos em particular, e da comunidade. Sem as ligações e as normas dos Mandamentos de Deus, a livre vontade do homem é mais perigosa e audaz como os instintos naturais dos animais selvagens ou ferozes" (citação de Pio XII)"

Todos os comentários a tantas infantilidades criminosas parecem desnecessários.

Marghera, 07 de Abril de 2004

A tradução foi publicada 10 de julho de 2015

Aqui você pode encontrar a versão original em italiano

vai indice dei Dieci Comandamenti

 

 

 

 

Home Page

Claudio Simeoni

Mecânico

Aprendiz a Stregone

Guardião do Anticristo

Membro Fundador da
Federação Pagã

Piaz.le Parmesan, 8

30175 Marghera - Venezia

Tel. 3277862784

e-mail: claudiosimeoni@libero.it

RadioGamma5 Cadoneghe - Padua

Os dez mandamentos

Diante de uma Constituição da República em vigor na Itália há quase sessenta anos, aonde é previsto que as pessoas são sujeitos de direito...